• 0
  • 1 Faculdade Dom Pedro II - São Carlos-SP (1928-2009)
    Acervo Valentim Gueller Neto
  • 2 Bonde da Carne São Carlos–SP (1912-1962)
    Acervo Raymond DeGroot
  • 3 Estação Ferroviária de São Carlos-SP (1925)
    Acervo Valentim Gueller Neto

Estação 55 - Almanaque de Ribeirão Bonito-SP de 1907

| | Comments: ( 5 )

Ribeirão Bonito, Dourado, Boa Esperança do Sul e Guarapiranga são localidades muito gratas para mim.  Quando vi o Almanaque de Ribeirão Bonito - SP, de 1907, todas as lembranças daquela região se reviveram e surgiu a ideia dessa postagem. O Almanaque é um volume histórico! Os autores documentaram como era a região central do Estado de São Paulo, naquela época. Além de Ribeirão Bonito, também estão registrados na obra, Dourado,  Boa Esperança do Sul e Guarapiranga. Sua capa é de papel muito fino, está muito ressecada  e comprometida pelo tempo. Mas todo seu conteúdo está preservado. Vou escrever muito pouco; vou deixar que os extratos do texto do almanaque e as fotos resgatem a história. Foto 01  CLIQUE SOBRE AS FOTOS QUE AMPLIAM


Gustavo de Suckow e J. V. Guimarães conseguiram colecionar dados  escritos e fotográficos,  e os colocaram em 140 páginas de papel muito fino, semelhante ao das páginas das listas telefônicas dos anos 50. Foto 02


                                          Foi impresso na                                          Foto 03
                                    


que sucedeu o antigo jornal daquela localidade. Foto 04


                    AS DIFICULDADES:        
Mas, além das dificuldades citadas no texto ao lado, também existiam as dificuldades gráficas; Cada linha de cada página era composta em uma placa, como se fosse uma bandeja. Nela era alinhada, letra por letra, tipos de chumbo com o desenho invertido da letra. Depois de todas as linhas compostas na placa, a mesma era levada para o prelo para imprimir uma prova. Esta era revisada, e, se aprovada, estava pronta para a tiragem das cópias.    Hoje, é tudo digital. Foto 05                                                                                                                                                 


Quando estavam preparando o Almanaque fizeram, há 106 anos, exatamente aquilo que, na atualidade, está sendo chamado de memória, ou história viva. A diferença é que os autores não contaram com todos os recursos da tecnologia que existe hoje; gravadores, filmadoras, câmeras e arquivos digitais. Contaram apenas com o entrevistado, e para registrar a entrevista, lápis e papel. Foto 06

Para esta postagem, selecionei as  fotos urbanas e fiz alguns
 extratos do texto que mostram o início daquelas localidades.

RIBEIRÃO BONITO
Nos anos 70,  fui professor no Colégio Estadual de Boa Esperança do Sul, a maioria dos professores não eram daquela cidade e se utilizavam da Empresa Jauense com seus ônibus creme com listras marrom. No meu caso, havia uma baldeação no posto do Obelisco, na confluência das  rodovias São Carlos - Dourado   - SP 215 e  Araraquara - Jaú - SP 255. Quando as aulas terminavam mais cedo, o almoço era no bar do Douglas em Ribeirão Bonito e nos tornamos amigos.

                                                          NESTE EXTRATO, O INÍCIO DA VILLA   Foto 07



                                                                           Foto 08


     A CHEGADA DA ESTRADA DE FERRO          Foto 09



A Estação Ferroviária em 1907.  Foto 10


Agora, a mesma foto sem as margens. Ampliando, você poderá ver com mais detalhes a locomotiva a vapor estacionada na plataforma. Foto 10-1                                                               


Os horários dos trens de passageiros puxados por locomotivas a vapor. Nos dias de semana, um trem, e no domingo, dois.  Foto 11


       A PARTICIPAÇÃO DO GOVERNO ESTADUAL     Foto 12



A Cadêa e Forum e Câmara Municipal . Foto 13



              O JARDIM PÚBLICO                     Foto 14



Detalhe, o Jardim Público cercado com grades.   Foto 15









A Matriz, ainda em construção. Ampliando a foto, é possível ver os andaimes. Foto 16

          A INAUGURAÇÃO DA MATRIZ                     Foto 17



A belíssima Matriz concluída e inaugurada  Foto 18















                                               A FERROVIA E O PROGRESSO                           Foto 19
                      



Rua Minas Geraes.  Foto 20



Rua do Commercio.   Foto 21


Rua Mello Peixoto.  Foto 22
                                          

           E NOS PRÉDIOS, OS NEGÓCIOS             Foto 23


                              
                                                                                                                Foto 24
                              

                                                                                                                                                   Foto 25


                                                       LINHA DE  BONDE                      Foto 26
                        


DOURADO

Em Dourado, morava a Dª Amélia Tavano, mãe do Durve, do Rafa, e da Júlia. Esta, se tornou minha tia, quando casou-se com meu tio José Gabriel Cavasin. Quando eu voltava das aulas no Colégio Estadual de Boa Esperança do Sul, ia mensalmente visitá-la. Lá também morou a saudosa Tia Zica (Tereza Ferro de Freitas), tia da minha esposa, e mãe dos nossos primos, a Profª Genoveva  e o Prof. "Joy".


                                                                O INÍCIO                                     Foto 27
                      




A Câmara Municipal em 1907.    Foto 28


                                          O CHEGADA DA DOURADENSE                Foto 29
                     



Esta foto está quase ilegível no almanaque. Com a uso de uma lupa, foi possível ler na sua faixa  central  a legenda "Estação de Dourado"  Foto 30



A amiga Marina Dino dos Anjos,  fez o tratamento digital da mesma, e o resultado foi ótimo!  Passando a ser possível ver alguns detalhes da fachada da Estação Ferroviária de Dourado, a cerca de madeira, as carroças  e a legenda contrastada. Esta mais escura, Foto 30-1



e esta mais clara. As fotos que ilustram o Almanaque, certamente antecedem a 1907, pois o término dos serviços de organização dos dados deu-se em fevereiro de 1907. Para imprimir uma foto era necessário fabricar um clichê. Era uma chapa metálica com a imagem em negativo, semelhante a um carimbo, o resultado impresso era uma imagem cheia de pontinhos, ou reticulada. Foto 30-2



Os horários dos trens de passageiros a vapor, da Estrada de Ferro do Dourado entre Ribeirão Bonito e Alabama. Uma composição nos dias úteis, e duas aos domingos.  Foto 31




Os preços das passagens da Douradense em Réis.  Foto 32
                                                                            
                               E COM A DOURADENSE, O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO  Foto 33



      Foto 34
                                                                                                 
   
                                                                                                                                                                                       Foto 35

BOA ESPERANÇA DO SUL

Em 1973, me tornei professor do Colégio Estadual  daquele município. Lecionava a disciplina de  Artes Industriais para os meninos das 7ªs e 8ªs séries. Lá, entre os professores, funcionários e alunos,  fiz muitos amigos, entre eles a Maria Genoveva Ferro de Freitas Foschini, que era professora de Matemática. Prima da minha esposa,  morava em Guarapiranga, e depois de casada, mudou-se para Dourado.


                                    A FREGUESIA                                    Foto 36
                           


             A EXPANSÂO DA DOURADENSE         Foto 37



Pé de Mangabeira, local de ponto de encontro.   Foto 38


 Escolas Públicas.    Foto 39

                  ÁGUA MINERAL               Foto 340
                          



                                                  E COM A FERROVIA, O HOTEL E O PROGRESSO    Foto 41                                                             



             Foto 42
                                                                                       

                                                                                                                                                   Foto 43

                             GUARAPIRANGA                              
                                                                               O  COMEÇO                  Foto 44                   



É onde minha esposa  nasceu. Ela é Ferro Gobato, famílias tradicionais de Guarapiranga, assim como os Mariani, Donnangelo,  Vanalle,  Camarosano, Freitas, Paganelli, Arnoni, Polez, Siqueira, Antonelli, Monte, Mantovanini, Petrucelli, Zampieri, Ramal, Sanchez, Presses, Teixeira, Girassol e Fernandes. É uma pena, mas no Almanaque não aparece nenhuma foto daquele Districto...,   Foto 45



mas, na coleção de anúncios do almanaque, tem este da pharmacia,  Foto 46



 este da olaria    Foto 47


       e este do Grande Armazem Ferraz & Comp.;                                                                                          Foto 48                                                                        
                                                                 

Se houvesse uma foto, certamente seria da "CASA FERRO". Era o armazém, a bomba de gasolina e o correio da Villa. Pertencia aos avós e tios da minha esposa, Sr, Carmine Ferro e Dª Genoveva Mariani Ferro, Sr Ernesto Ferro e Sra. Maria Buzembai Ferro, respectivamente. . Nos fundos, morava o ex-escravo Cipriano, que após a abolição apareceu por lá, história para uma próxima postagem. Além da "Casa  Ferro", em Guarapiranga também havia um ramal ferroviário   canavieiro da Usina Tamoyo. Agora, após 106 anos, o Distrito está se mobilizando para se tornar Município.  Foto 49
       


 FAZENDAS DA REGIÃO

Fazenda Bom Jardim -  Foto 50


Fazenda Monte Verde - Foto 51

Nestas 20 fotos e 36 extratos do  texto do  Almanaque de Ribeirão Bonito, estão apenas fragmentos de tudo que lá é contado. Nas suas 140 páginas escritas no Português clássico do início do século XX, onde é possível ler: VILLA, PHARMACIA, MACHINA, SYSTEMA, PESSÔA, TROLYS, ESCRIPITÓRIO, CADÊA,..., e reconhecer a arte fantástica dos autores em combinar as palavras.


Como este Almanaque é uma obra histórica, é muito importante que  principalmente  todos os moradores de Ribeirão Bonito, Boa Esperança do Sul, Dourado e Guarapiranga tenham acesso a cópias. Fica aqui a oportunidade também aos jovens daquelas localidades de conhecerem o início de onde nasceram. Para baixar o arquivo em PDF do Almanaque de Ribeirão Bonito, de 1907,  clique sobre a capa restaurada, (foto abaixo), não há visualização prévia, pois o arquivo tem 41 Mb.                                                                                                                                                                                    Foto 52

VEJA MAIS:

CRÉDITOS:
Fotos:
01, 02, 03, 04, 05, 06, 07, 08, 09,
11, 12, 14, 17, 19, 23, 24, 25, 27,
29, 31, 32, 33, 34, 35, 36, 37, 40,
41, 42, 43, 44, 45, 46, 47, 48 e 52: Extratos do texto do Almanaque
10 e 10-1 Filemon Perez
13, 15, 16, 18, 20, 21, 22, 28, 38, 47, 48 e 49, 50 e 51: Autores desconhecidos
18, 28, 30, 30-1 e 30-2: Klabin
39: F de Nicola
49: Da tela em cores do pintor Ernesto Lia - Araraquara-SP
Tratamento digital:
30-1 e 30-2:  Marina Dino dos Anjos
49: José Alfeo Röhm
Participaram:
Luis Antonio Ferro Gobato
Maria Nazareth, Daniel e Lika Röhm
Participação especial:
Irivaldo Antonio Gobato


Obrigado por sua agradável companhia, nos encontraremos certamente na Estação 56.
                                                         Abraços, Alfeo.

OBS: Se você tiver dificuldade em fazer um comentário na janela aí abaixo, entre como anônimo, e cite seu nome e e-mail no final do texto.