• 0
  • 1 Faculdade Dom Pedro II - São Carlos-SP (1928-2009)
    Acervo Valentim Gueller Neto
  • 2 Bonde da Carne São Carlos–SP (1912-1962)
    Acervo Raymond DeGroot
  • 3 Estação Ferroviária de São Carlos-SP (1925)
    Acervo Valentim Gueller Neto

Estação 49 - O Trenzinho dos Censoni

| |


No  início de fevereiro de 2013, o amigo Sergio Paulo Doricci comentou que havia visto uma foto de um trenzinho com o nosso amigo Ronaldo Dalri e que o mesmo havia sido fabricado pelos Censoni. Como procuro resgatar os primeiros ferreomodelistas de São Carlos, fui em busca da história.  A Neuzinha, irmã do Ronaldo, mora próximo de casa e me passou o contato dele. Telefonei e ele me contou que a foto não era dele e sim do Olyntho Aluisio de Freitas Censoni.   Foto 01 


 Ele e eu fomos colegas  de Curso Primário na Escola Normal de São Carlos, entre os anos de 1955 e 1960. Após a conclusão, cada um seguiu seu caminho e nos afastamos. No final de 2012 nos reencontramos através da Internet. A família paterna do Olyntho foi proprietária da principal fábrica de veículos da grande região entre os anos de 1914  e 1943, a Fábrica de Vehículos  Irmãos Censoni e Cia. Localizava-se na rua Marechal Deodoro, entre as ruas São Joaquim e Dom Pedro I.  Foto 02




Internamente, a fábrica tinha muitas máquinas e ferramentas.   Foto 03 



As máquinas eram todas tracionadas por eixos superiores e correias.   Foto 04



Das rodas, fabricavam todos os componentes: O eixo, os raios, o arco de madeira e o de ferro. A Fábrica era uma grande serraria, marcenaria e oficina mecânica.   Foto 05 



Naquele quarteirão hoje, temos escritórios e um cartório.  Foto 06



Naqueles anos, a predominância era de veículos tracionados por animais e muito antes de fabricar o trenzinho, fabricaram carroças para entrega e venda de pães pelas padarias da cidade e a do Correio, para coleta e entrega de encomendas e correspondência,    Foto 07



Tudo era fabricado na "Censoni", as rodas raiadas, os varões e os baús. As pinturas eram feitas a mão, naqueles anos não existiam os decais e os adesivos.   Foto 08


A carroça da Agência dos Correios de São Carlos ganhou cobertura.  Uma grande inovação para a época!  Evitava que os carteiros ficassem expostos ao sol.    Foto 09 - Local:  Grupo Escolar Paulino Carlos, no centro de São Carlos


Os carroções para transporte  agrícola, eram utilizados nas fazendas e  delas para a cidade, para a venda das produções. Nunca voltavam vazios; aproveitavam para fazer as compras nos armazéns e lojas para o abastecimento das propriedades. Foto 10 


A carroça da Companhia Cervejaria Paulista de Ribeirão Preto, da época que fabricava a cerveja "TUST" Foto 11   


                                                         Foto 12



Charretes, troles e semi troles. Eram carroças para o transporte somente de pessoas e quando muito, de suas malas de viagem.    Foto 13



 As mais requintadas, tinham  o assento e o encosto estofados.   Foto 14 



 E as mais simples, em madeira.   Foto 15



Além dos veículos de tração animal, fabricavam também ferramentas braçais para a lavoura:  Arado,  foices, machados, enxadas, etc.  Foto 16 


E para gerar energia elétrica nas fazendas, rodas d água. Essa foi  fabricada e instalada pela "Censoni",  na Fazenda Itaguassú. Foto 17 




Outro produto, talvez a estrutura de outra roda d água.   Foto 18 





Com a chegada do automóvel, as carroças começaram a ser substituídas pelos furgões "Censoni". Foto 19



A Santa Casa de Misericórdia foi fundada em 12 de abril de 1891  e, após sua construção, passou a atender os doentes da cidade e também das vilas e  fazendas.   Foto 20



Mas a primeira ambulância só chegou aproximadamente, em 1920, um furgão 'Censoni".  .A contribuição social da Fábrica Censoni foi imensa, pois era ela que promovia a diferença em transportar nas costas das pessoas, dos cavalos, ou em veículos tracionados por animais e depois automotores.     Foto 21 



Os avós e tios paternos do Olyntho moravam  nesse casarão de 11 janelas, na rua Conde do Pinhal, 2485 esquina com a Rua São Paulo.   Foto 22



 Nos fundos, pela rua São Paulo, havia um barracão, que era a filial da "Censoni". Naquele local hoje, é uma Academia de Capoeira. .Foto 23



E naquele barracão é que a Ferrovia Censoni era montada.  Depois de ter contribuído para fabricar muitas carroças, carroções, charretes, troles, semi-troles, furgões e ferramentas braçais, no início dos anos 50, o Sr Hércules Censoni, tio do Olyntho, construiu o trenzinho.    Foto 24



A locomotiva era uma réplica da "baratinha", manobreira da CP -Companhia  Paulista de Estradas de Ferro .                              
Era verde e, pela foto, as dimensões estimadas eram: 700mm de comprimento,  400mm de largura, e 300 de altura. A bitola, distância entre os trilhos, deveria ser de uns 200mm, e a escala aproximada de 1:10   Fotos 25 e 26                          




O vagão gôndola media aproximadamente: 600mm de comprimento, 400mm de  largura e 250mm de altura. Ter um trenzinho nos anos 50, era o grande sonho de todos os garotos, mas eram poucos e caros. A maioria era importado da  LIONEL, e alguns nacionais, ATMA.  Trenzinhos eram para poucos e os garotos Censoni tiveram um fabricado pela própria família!    Foto 27



 O Sr Hércules Censoni, que fabricou o trenzinho, nas horas de folga da Fábrica, , era artista; pintava quadros. Nasceu em 1911 e faleceu aos 81 anos, em São Sebastião do Paraiso-MG.    Foto 28



Em São Carlos, como mecânico, também montou praticamente todos os aparelhos da "Fábrica de Chocolates Finos Serra Azul." Localizava-se na esquina das ruas São Joaquim com a  Jacinto Favoretto.    Foto 29



Na mesma época do trenzinho, o Sr. Olynto Censoni, pai do meu colega de Curso Primário, o levava nas estações ferroviárias para ver os trens. Foto 29  - Olynto na Estação de Itirapina, anos 50.



A Ferrovia Censoni tinha um trilho longo e andava por todo barracão da rua São Paulo. Era elétrica e tinha uma caixa de controle. O Sr Hércules Censoni, um dos pioneiros do ferreomodelismo são-carlense,  sempre a montava e  a garotada se divertia por horas. Na foto,  o Olyntho é o primeiro da esquerda para a direita, e na legenda da foto ele escreveu: -" Adorava isso !!" Foto 31


A paixão  herdada do tio Hércules e do pai,  pelas ferrovias,  estão tendo continuidade. Hoje,  o Olyntho mantém um grupo no Facebook com o objetivo de implantar um Trem Turístico em São Carlos.

VEJA MAIS
   (São Carlos)   



               Facebook                                    

CRÉDITOS:
FOTOS:
Com exceção das fotos 06, 12, 20, 22, 23 e 29, todas as demais
são do acervo Olyntho Aluisio de  Freitas Censoni
03, 07, 08, 11, 15  e 16: Capturadas do vídeo do You Tube 
"FÁBRICA DE VEHÍCULOS IRMÃOS CENSONI (SÃO CARLOS)"
09, 13 e 14 e 19: José Censoni, avô do Olyntho
12: Rótulo da cerveja TUST:  Elo 7
20: Acervo Ocimar Pratavieira
06, 22, 23 e 29: Google Mapas
25: Locomotiva "Baratinha": Prado Trens
30: Olyntho Censoni, pai do Olynto Aluisio
Participaram:
Maria Nazareth, Daniel e Lika Röhm
Neuza Dalri
Ronaldo Dalri
Sergio Paulo Doricci
Participação especial:
Olyntho Aluisio Freitas Censoni

Obrigado por sua agradável companhia, nos encontraremos certamente na Estação 50.
                                                         Abraços, Alfeo.

OBS: Se você tiver dificuldade em fazer um comentário na janela aí abaixo, entre como anônimo, e cite seu nome e e-mail no final do texto.

9 comentários :

O céu é o limite disse...

Olá Alfeo, conseguiu, hein. rss. Parabéns

Anônimo disse...

Malu Gobbi disse...

Querido amigo,

Adorei sua história com o trem do Olyntho.
Seu filho postou no FB e muitos já viram sua história.
resgate maravilhoso dos trens, da história da cidade querida e dos amigos de infância.
Quanta coisa boa você nos traz.

Abraços fraternos.
Maria Lucia

Anônimo disse...

Eita Alfeo!

Mais uma belo historia!

Valeu mesmo!

(((BETO)))

Walter Lobo disse...

Amigo Alfeo,
A cidade de São Carlos deve ter muito orgulho de possuir um contador de histórias do seu quilate!
Sempre trazendo ótimas crônicas da vida de São Carlos em todas as épocas. A cada visita ao seu blog aumenta minha vontade de conhecer essa que deve ser uma das mais belas cidades brasileiras. Abraço,
Walter - CTT

Balan disse...

Alfeo, gosto desse abordagem que visa o resgate histórico. Pena que nesse Brasil "desmiolado" tão poucos se dediquem à preservação da nossa história. Parabéns pela qualidade e profundidade do trabalho.

OSVALDO disse...

EXCELENTE E LINDO TRABALHO. PARABENS AOS ORGANIZADORES E AOS SEGUIDORES

Eliana Duchêne disse...

Parabéns!Que maravilha! Isto é História!Abraços dos amigos!Eliana e Rafael Duchêne

Anônimo disse...

OLÁ,ALFEO!! SAUDAÇÕES CARINHOSAS!! ESTIVE UNS TEMPOS AUSENTE DO FACEBOOK E, ONTEM, QUANDO VOLTEI, AO ACESSAR A MENSAGEM DE SEU FILHO, PUDE APRECIAR MAIS ESSE SEU BELO TRABALHO DE RESGATE DE MEMÓRIAS SANCARLENSES. VOCÊ NÃO IMAGINA O QUANTO FIQUEI SURPRÊSO, EMOCIONADO, ORGULHOSO, ENFIM, UM MISTO DE SENTIMENTOS MUITO BONS. VOCÊ É REALMENTE UMA PESSOA CRIATIVA, REALIZADORA E SURPREENDENTE!! SEU TRABALHO SOBRE A "FÁBRICA CENSONI" CONTRIBUI MUITO PARA RESGATAR A MEMÓRIA DESSA FÁBRICA, DA MINHA FAMÍLIA E DA HISTÓRIA SANCARLENSE!! VOU MOSTRAR PARA TODOS OS MEUS FAMILIARES, QUE, CERTAMENTE, IRÃO ADORAR!! CONTINUE COM SEUS TRABALHOS SEMPRE!! NO QUE PUDER, AJUDAREI, ENVIANDO-LHE FOTOS, CONTANDO-LHE FATOS, FORNECENDO-LHE TEXTOS. VALEU MESMO, AMIGO ALFEO!! BELÍSSIMO PRESENTE!! GRANDE ABRAÇO!!

Olyntho Aluisio de Freitas Censoni
13/04/2013

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário!